Quando solicitei a Yamaha Ténéré 250cc para fábrica para o nosso teste de um mês, jamais poderia imaginar o tanto que a motocicleta seria útil no meu dia a dia, e em tudo que iria passar com ela. Na realidade foram elas, isso mesmo, ELAS.

[video]http://vimeo.com/22267699[/video]

Nós ficamos com duas motocicletas idênticas, que passaram por todo o tipo de situação. Desde viagens médias por rodovias de excelente pavimentação, até enchentes, e estradas com muito barro.

De design expressivo, e aparência robusta como é possível notar nas fotos, a menor da família Ténéré é a primeira a vim ressuscitar o grande mito. Chamando a atenção por onde passa, é difícil os curiosos conseguirem decifrar a cilindrada da “pequena notável”, já que o seu porte fica longe de ser o de uma 250cc, que gera 21cv de potencia a 8000RPM, já o tanque que integra o seu formato robusto cabe nada mais nada menos que 16 litros de gasolina (reserva 4,8 litros) conseguindo garantir uma excelente autonomia de em torno 320km/l, que foi o máximo que conseguimos já que os dois modelos mostraram um consumo um tanto quanto alto de em torno 20 a 22km/l cidade/estrada.

Na rodovia ela garante um desempenho excelente para o que é proposto, sem vibrações e uma ótima ciclista é possível rodar com total segurança e conforto, conforto este que é garantido pelo funcional parabrisas frontal. Os 21 cavalos de potencia empurram bem a motocicleta, mais quando entra em ação o garupa, o comportamento da moto muda completamente, mas nada que possa prejudicar a pilotagem, a traseira afunda consideravelmente e perde muito desempenho, não senti essa diferença na Fazer 250cc como senti na Ténéré. Já freios e suspensões se comportam muito bem obrigado, e ainda continuo achando que os freios da Ténéré teriam que ter as mesmas dimensões da Fazer 250cc que são de 282mm no diant. contra os 245mm.

As motos On/Off são as minhas preferidas pela versatilidade que proporcionam. Depois de um dia inteiro de trabalho, poucos minutos antes de voltar pra casa, fomos surpreendidos por uma bela tempestade, “no meio do caminho surgiu uma enchente, uma enchente surgiu no meio do caminho”, como toda criatura em sã consciência esperaria a água baixar para atravessar o aguaceiro, assim como estavam fazendo aquela imensa fila de carros e motos, mas como nós jornalistas especializados que vieram ao mundo para testar produtos, achei ali a minha grande oportunidade. Giro alto, viseira fechada e La vamos nós… Bom, não consegui ver nada, mesmo em pé na moto a água me cobriu completamente e alguns poucos segundos depois eu já estava do outro lado da enchente, molhado do pé a cabeça, salvo a parte superior do corpo que foi protegida por uma jaqueta impermeável da SBK.  Já a moto, ahhh a moto, essa estava melhor do que nunca, seguiu em frente normalmente sem nenhuma engasgadinha, apenas inteira suja de barro e um monte de mato enroscado.

 No barro, bom, no barro é perigoso, os pneus Pirelli Scopion garantem uma boa aderência em piso arenoso e de pedregulho, mais no barro esquece, praticamente impossível de andar.

Se você procura uma moto para uso diário, tanto urbano quanto rodoviário e ainda busca um lazer aos finais de semanas sem precisar se preocupar qual o destino, então não perca tempo, vá fazer um teste drive.

TEXTO: Ricardo Fox
FOTOS: Motor&Cia.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>